19 de fevereiro de 2017

DIVINA INSPIRAÇÃO PARA RECICLAGEM DE UMA CALOTA.


O Divino faz parte da cultura e tradições do estado de Minas Gerais, onde a Festa do Divino é realizada em diversas cidades, em diferentes datas, após os quarenta dias a contar do Domingo de Páscoa, período em que se comemora Pentecostes – a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos.

Este fato histórico religioso é narrado ao longo dos séculos e documentado na obra “Atos dos Apóstolos”, que faz referência ao encontro dos apóstolos com Maria no Cenáculo, ainda temerosos da perseguição política romana. Os apóstolos presenciam um clarão e percebem a descida de línguas de fogo sobre cada um em sinal de alerta. A partir deste momento, sentem vitalidade, coragem, inteligência e raciocínio lógico para saírem pelo mundo, entendendo e falando várias línguas e pregando a filosofia ensinada por Jesus Cristo.


As Festas do Divino realizadas no Brasil são oriundas de Portugal, onde foram iniciadas pela Rainha Santa Isabel, esposa do Rei-poeta D. Diniz, no início do século V. Tem-se notícia de que para angariar recursos visando a construção de uma capela em homenagem ao Divino, em Alenquer, Portugal, essa rainha teria organizado uma feira junto com a comunidade. Não é de se admirar a imediata aceitação da festa por outras aldeias até que ela viesse a ser legalizada pelo “Código Afonsino”, em Portugal. Assim, o Divino Espírito Santo tornou-se um dos protetores da Coroa Portuguesa.

No Brasil, os portugueses nobres continuaram a devoção ao Divino Espírito Santo. Havia, inclusive, uma lei que obrigava as Câmaras Municipais a ajudarem no financiamento da festa, apoiando a Irmandade, que era composta de homens brancos e ricos. Até hoje, os Irmãos do Divino elegem o representante do Imperador, que terá de manter a tradição.
Os festejos têm seu lado religioso erudito - novena, missas, ladainhas e procissões em louvor ao Divino Espírito Santo. A icnografia do Divino é representada por uma custódia dourada, normalmente esculpida em madeira revestida em folha de ouro, e no lugar da hóstia consagrada há uma pomba branca esculpida. A decoração da peça é rica e variada, dependendo da criatividade do artista. 

No interior de Minas Gerais é comum encontrar a imagem da pomba branca nas portas e nas janelas das casas. Ela é também uma fonte de inspiração para muitos artistas que utilizam as mais variadas técnicas para recriar o resplendor onde se destaca a pomba branca que representa o Divino Espírito Santo.

Nesta minha versão, utilizei uma calota de automóvel como base representativa do resplendor e a decorei com flores pintadas com a técnica Baurnmalerei (que se assemelha à pintura barroca mineira). Mais uma peça onde aplico esta linda técnica que venho buscando aprender de forma autodidata. 

Agradecendo por toda luz divina que a cada dia me impulsiona a novas inspirações, 
 este post participa da blogagem coletiva

11 de fevereiro de 2017

Com Ana Folha e a Turma do Lixão nossa ecoteca ficou mais rica.


A Ecoteca Maria Reciclona acaba de ficar mais rica. Esta semana recebemos um exemplar autografado do livro ""Ana Folha e a Turma do Lixão" de autoria da pedagoga  Luciana Ribeiro.
A obra direcionada ao público infanto juvenil aborda importantes questões relacionadas à preservação do meio ambiente e busca despertar  uma consciência crítica, ética e cidadã em relação ao seu meio social e em todos os ambientes da natureza. 

Como forma de explicar o consumo desenfreado e seus malefícios para o homem e o universo, a história inicia através de um diálogo entre Ana Folha, a água, o ar,  o sol, a onça pintada e a árvore que apresentam à protagonista questões preocupantes, decorrentes do descarte incorreto de resíduos sólidos, do desperdício da água, da extinção de espécies da fauna e flora e outros tantos desastres ambientais. 
A Carta da Terra, este importante documento resultante da Eco-92 firmando por tantos países é apresentada aos leitores mirins e a partir das soluções educativas para o homem e a natureza que ele nos apresenta, Ana Folha a utiliza como instrumento mobilizador, levando toda a Turma do Lixão a vivenciar uma grande aventura ecológica e os leitores a uma importante reflexão sobre seu importante papel como protagonista na preservação de nossas florestas.

SOBRE A AUTORA:

Luciana Ribeiro é pedagoga, formada pela Faculdade Anhaguera de Brasília (FAB) e Pós graduada pela Faculdade de Tecnologia Equipe Darwin. Acredita e enfatiza os benefícios do movimento de ecopedagogia como redimensionador do ensino básico nas escolas. Para a autora, esta abordagem possibilita de fato educadores e educandos a trabalharem de forma bastante diferenciada no referencial da educação ambiental, ou seja, despertar um olhar e atitudes políticas e sustentáveis que possam ser implementados em todos os ambientes de convivência social do Planeta.
Luciana Ribeiro é também editora do blog Ecopedagogia .



Sim querida Luciana, continuamos firmes na batalha verde, pois juntas podemos mais!



Agradecendo pelo lindo e importante trabalho que desenvolve e pela parceria e dedicação da professora Luciana Ribeiro, este post participa da blogagem coletiva


6 de fevereiro de 2017

Comemorando 3 anos como agente ambiental.


Hoje, 6 de fevereiro, comemoramos o Dia do Agente de Defesa Ambiental, homenageando aqueles que trabalham pela proteção do nosso meio ambiente e pelo desenvolvimento sustentável.
O Agente de Defesa Ambiental é responsável por fiscalizar, resolver e propor atividades e obras para a conservação e prevenção do meio ambiente, através de vistorias, estudos técnicos de locais, análise de processos e avaliação de impactos, visando o cumprimento da legislação ambiental. Esse profissional promove a educação, orientando o público sobre os cuidados existentes para garantir a preservação do meio ambiente, e o seu controle de qualidade. Além disso, é sua função garantir o correto funcionamento do sistema de vigilância, monitoramento e coibição de infratores, e combater os danos causados, pelo homem, à natureza.

Não há graduação específica para que o indivíduo possa atuar como Agente de Defesa Ambiental. Isto é, ele pode trabalhar se tiver concluído o ensino médio, ou se possuir formação superior completa em áreas como, Biologia, Engenharia Ambiental, Ecologia, entre outras. Existem também cursos de qualificação como de prevenção e incêndios, ou ainda o de agente ambiental que cursei.

O BH Itinerante é um curso de extensão em educação ambiental, promovido pelo Centro de Extensão em Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte. 
Durante todo o curso, os alunos tem a cidade como espaço de ensino e aprendizagem, participando de aulas, palestras, estudos e pesquisas que lhes proporcionam vivências educativas, convivência construtiva e reflexões que contribuam para sua formação como Agentes Ambientais. No conteúdo programático são abordados os temas: Agenda 21, aspectos naturais, ambiente urbano, redes socioambientais e políticas públicas. 
Inciei meu curso no dia 26 de fevereiro de 2014 . Na aula inaugural, da 28ª edição do BH Itinerante que aconteceu no Museu Abílio Barreto, fui convidada pelo repórter da TV Conecta BH a dar um depoimento sobre minha expectativa em relação ao curso. 
No vídeo abaixo você poderá me ver e toda a minha expectativa. Expectativa esta que foi  em muito superada, ao longo dos  meses que pude compartilhar experiências com excelentes profissionais e grandes colegas.



Durante todo o curso conheci várias pessoas que me conduziram a novos conhecimentos e me fortaleceram a certeza de que este era um caminho maravilhoso para seguir.

Colegas e instrutores da 28ª Edição do BH Itinerante.
Hoje, comemoro este dia com grande orgulho e imensa alegria de ter tido a oportunidade de me integrar a um grupo de pessoas que se preocupam e se ocupam com as questões do meio ambiente.

A natureza é um grande patrimônio da humanidade, do qual depende a nossa sobrevivência. Nos moldes de produção e consumo atuais, o meio ambiente do planeta está sendo rapidamente degradado. Diversas espécies encontram-se extintas e alterações climáticas vêm destruindo cidades, aumentando o nível do mar e inutilizando áreas que uma vez foram agricultáveis. Para reverter o processo e evitar a extinção da própria raça humana precisamos tomar ações de prevenção e manutenção do meio ambiente enquanto ainda há tempo, permitindo que as futuras gerações possam viver em harmonia.
O dia dedicado ao Agente de Defesa Ambiental é um momento de refletirmos sobre a necessidade urgente de sermos protagonistas nas questões ambientais e, consequentemente, potencialmente agentes ambientais.

Agradecendo aos coordenadores, instrutores e colaboradores do BH Itinerante, 
esta postagem participa da blogagem coletiva:
 

29 de janeiro de 2017

É tempo de conscientizar: já iniciamos o Projeto Ecocebrac 2017 em Belo Horizonte.



Na última sexta feira, o Núcleo Maria Reciclona iniciou sua parceria em mais um ano do Projeto EcoCebrac. 
Desde 2011 estamos juntos com o Cebrac BH que, com diversas atividades voltadas para a prática da sustentabilidade e ecocidadania, já conquistou por duas vezes (2011 e 2016) o destaque de primeiro lugar nacional como reconhecimento dos resultados do projetos desenvolvidos nesta unidade. 
Sempre contando com nossa assessoria e concorrendo com mais de 150 outras unidades espalhadas em todo o país.

Composta por 3 etapas (Consciência, Solidariedade e EcoTransformação), o projeto EcoCebrac 20167 já começou com muitas atividades. 

Entre elas, oficinas Maria Reciclona de supraciclagem, onde alunos do Cebrac BH discutem sobre a importância das práticas sustentáveis e colocam a mão na massa, confeccionando muitos utilitários com reuso de materiais recicláveis. Objetos estes, que comporão ações de empreendedorismo social ao longo de todo o ano.




Além de oficina com a Maria Reciclona, em janeiro, os alunos já participaram de outras atividades  tais como:
- Palestra profissões Ecoconsciência: com o tema "Conheça melhor o farmacêutico e o desafio do descarte consciente de medicamentos". 
- Passeio Ecoconsciência: com a realização de um passeio à esplanada do Mineirão (Estádio Magalhães Pinto), onde 120 alunos puderam discutir sobre o tema mobilidade urbana e realizar atividades como andar de bicicleta, skate, patins e carrinhos de rolimã.


Nesta semana também foi dado início ao Cine Eco Consciência, quando os alunos participam de sessões de filmes com temáticas sobre sustentabilidade e questões sociais, seguidas de um pate papo sobre o tema em destaque.

Na ultima sexta, o filme foi exibido o longa de animação Wall-E que trata de temas como consumo e produção de resíduos. Na próxima sessão, agendada para o dia 10/02 será exibido o excelente documentário "Quem se importa". 
Com direção de Mara Mourão, este documentário filmado em 7 países diferentes: Brasil, Peru, USA, Canadá, Tanzânia, Suíça e Alemanha. investiga as iniciativas de 19 empreendedores sociais pelo mundo, dentre eles o prêmio Nobel da Paz, Muhammad Yunus. 
Esse filme estimulante nos apresenta mentes inspiradas atreladas a corações compassivos apontando soluções para o bom andamento da sociedade e do planeta.

E é assim que objetivamos seguir ao longo do ano: inspirando mentes e corações no bom caminho da sustentabilidade e do empreendedorismo social.


Agradecendo a todas estas mentes e corações que transformam o mundo através de suas ações do bem, esta postagem participa da blogagem coletiva:
 


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...